Melhores séries de 2016

Oi migos. Faz um tempão que eu não escrevo algo aqui no blog. Isso decorreu de vários motivos, sendo um deles o fato de eu ter esquecido da existência disso aqui. De qualquer forma, vou fazer agora essa postagem com as melhores séries de 2016. Nem preciso dizer que isso aqui é baseado no que eu assisti e fortemente influenciado pelas minhas preferências, então é óbvio que são listas que refletem exclusivamente a minha opinião. 

Há alguns anos eu havia me tornado um pro em assistir séries, mas infelizmente isso não condiz com a vida adulta, nem como essa explosão de séries que tá acontecendo atualmente, e que, (in)felizmente, só tende a expandir. Pra quem não sabe do que eu tô falando, dá uma olhadinha aqui. Esse ano eu filtrei muita, muita coisa. Esperei algumas semanas da fall season pra ver o que valia a pena pegar (e o que tinha uma audiência decente, because!). Acabei vendo muitas produções da internet e muita coisa de fora do circuito Reino Unido-Estados Unidos. Acho que tanto pras séries, quanto pra mim, foi um ano bom, no que diz respeito à qualidade das produções. Vou citar primeiro as séries que achei melhores (o que não necessariamente bate com as que mais gostei - aprendam a diferença!) e então algumas produções que foram bastante elogiadas, mas que ainda não tive tempo de ver e que pretendo assistir em breve.

Comentário: nesse ano eu notei um aumento significativo de séries com temáticas que incluam minorias. Ainda são poucas, mas valem a menção. Atlanta e Insecure são duas séries com protagonistas e elenco majoritariamente negros e funcionam como crítica social pra apontar as formas como o racismo está presente na vida dos afroamericanos. Transparent fez outra temporada sensacional e que abordou os confrontos da transsexualidade com a religião, criticou o privilégio branco e explorou ainda mais a sexualidade de suas personagens. Thirteen apresentou os danos psicológicos causados por um sequestro que durou 13 anos, bem como apontou o papel da misoginia em sua história. Fleabag tratou esplendidamente de um tema pouco e mal representado: depressão. Tanto The Fall quanto Happy Valley abordaram, além de suas tramas, as dificuldades que as mulheres sofrem no mercado de trabalho, principalmente quando ocupam posições de alto poder. This is Us foi talvez a maior surpresa do ano, por se tratar da tv aberta americana. A série investiu pesado em diversidade. Além de um elenco multiracial e de uma história verdadeiramente linda, a série ainda trata de um dos maiores tabus da indústria televisiva: gordofobia. Já The Night Of consegue ser brilhante em seu enredo, abordando outro tabu: islamofobia. Finalizando a lista, Black Mirror voltou com uma pitada americana em sua nova temporada. As críticas ao uso massivo de tecnologia em nossa vida continuaram afiadas e a série continua chocando.


10. Insecure (HBO, 1ª temporada - 8/8 episódios)
★★★★★★★☆☆☆
Issa (Rae) e Molly (Yvonne Orj) podem ser fortes, mas precisam enfrentar muitos desafios pela frente. Por meio da amizade entre estas duas jovens negras, elas compartilham entre si o seu cotidiano, repleto de problemas e experiências desconfortáveis relacionadas à sua cor de pele. [Fonte]



9. Transparent (Amazon, 3ª temporada - 10/10 episódios)
★★★★★★★☆☆☆
Uma família de Los Angeles com sérios problemas de relacionamento. Mort (Jeffrey Tambor) tem três filhos, já adultos: Ali (Gaby Hoffman), Sarah (Amy Landecker) e Josh (Jay Duplass). Quando ela os reúne para falar do futuro, os três ficam chocados ao descobrir que o assunto não é herança finaceira, mas a notícia de que o "pai" deseja se assumir como transmulher. Todos os relacionamentos, com o mundo, com eles mesmos e uns com os outros irão se modificar à medida que os segredos e as dificuldades vão se desvendando. [Fonte]



8. Atlanta (FX, 1ª temporada - 10/10 episódios)
★★★★★★★☆☆☆
Earnest "Earn" Marks sai da faculdade para virar o agente da carreira de súbito sucesso de seu primo. Porém, os dois discordam em diversos âmitos sobre a divisão entre arte e entretenimento no hip-hop. Além disso, ele terá que lidar com a mãe de seu filho e com o colaborador do primo. [Fonte]



7. Thirteen (BBC Two, 1ª temporada - 5/5 episódios)
★★★★★★★☆☆☆
A história acompanha a vida de Ivy Moxham (Jodie Comer, de My Mad Fat Diary), uma mulher que passou treze anos presa em um porão. Tendo conseguido escapar de seu cativeiro, ela precisa aprender a lidar com sua liberdade e se readaptar à sua família, que acredita que ela seja quem diz ser. Com exceção de Emma (Katherine Rose Morley, de Last Tango In Halifax, The Mill), a irmã mais nova de Ivy. [Fonte]



6. Fleabag (BBC Three, 1ª temporada - 6/6 episódios)
★★★★★★★★☆☆
A série acompanha a vida de uma jovem adulta (Phoebe Waller-Bridge) e seus problemas diários, como os relacionamentos fracassados, as brigas com a mãe e um trauma ainda não superado. [Fonte]


5. The Fall (BBC Two, 3ª temporada - 6/6 episódios)
★★★★★★★★☆☆
The Fall acompanha a Detetive Superintendente Stella Gibson (Gillian Anderson). Ela é trazida para auxiliar a Polícia Metropolitana de Londres, quando um assassinato em Belfast torna-se arquivo morto. O caso é sobre um assassino que gosta de atacar jovens mulheres profissinais da cidade, e Gibson corre contra o tempo com seu novo time, para conseguir encontrar o responsável pelas mortes antes que ele ataque novamente. [Fonte]



4. Happy Valley (BBC One, 2ª temporada - 6/6 episódios)
★★★★★★★★☆☆
Precisando de dinheiro,  Colin Weatherill (Steve Pemberton) planejou o sequestro da filha de seu chefe, Ann Gallagher (Charlie Murphy), mas acaba desistindo do plano. O que ele não esperava é que o crime realmente ia acontecer, pelas mãos de  Ashley Cowgill  (Joe Armstrong), chefe do tráfico local. Agora cabe à policial Catherine Crowther (Sarah Lancashrie) resgatar a jovem, enquanto procura por Tommy Lee Royce (James Norton), o homem que acredita que é responsável pelo estupro que levou sua filha ao suicídio. [Fonte]



3. This Is Us (NBC, 1ª temporada - 10/18 episódios)
★★★★★★★★☆☆
A série é uma crônica da relação de um grupo de pessoas que nasceram no mesmo dia, incluindo Rebecca (Mandy Moore), Jack (Milo Ventimiglia), um casal esperando trigêmeos em Pittsburgh e Kevin (Justin Hartley), um belo ator de televisão que está se cansando da vida de solteirão cobiçado. [Fonte]



2. The Night Of (HBO, 1ª temporada - 8/8 episódios)
★★★★★★★★★☆
Após ter passado a noite com uma mulher desconhecida, um homem acorda e a encontra esfaqueada até a morte e é acusado de tê-la assassinado. A investigação policial denuncia as complexas relações entre os casos analisados pela polícia de Nova Yokr, procedimentos legais, sistema criminal e o "feroz purgatório" de Rikers Island, onde os acusados são mantidos enquanto esperam pelo julgamento. [Fonte]



1. Black Mirror (Netflix, 3ª temporada - 6/6 episódios)
★★★★★★★★★☆
Uma espécie de híbrido entre "The Twilight Zone" e "Tales of the Unexpected", Black Mirror explora sensações do mal-estar contemporâneo. Cada episódio conta uma história diferente, traçando uma antologia que mostra o lado negro da vida atrelada à tecnologia. [Fonte]

Outras séries que me deixaram bastante satisfeito em 2016:
  • Secret City (Foxtel, 1ª temporada - 6/6 episódios) ★★★★★★☆☆☆☆
  • 11.22.63 (Hulu, 1ª temporada - 8/8 episódios) ★★★★★★☆☆☆☆
  • Last Tango in Halifax (BBC One, 4ª temporada - 2/2 episódios) ★★★★★★☆☆☆☆
  • The Affair (Showtime, 3ª temporada - 5/10 episódios) ★★★★★★☆☆☆☆
  • Please Like Me (ABC2, 4ª temporada - 6/6 episódios) ★★★★★★☆☆☆☆
  • Westworld (HBO, 1ª temporada - 10/10 episódios) ★★★★★☆☆☆☆☆
  • The OA (Netflix, 1º temporada - 8/8 episódios) ★★★★★☆☆☆☆☆
  • Togetherness (HBO, 2ª temporada - 8/8 episódios) ★★★★★☆☆☆☆☆
  • Justiça (Globo, 1ª temporada - 20/20 episódios) ★★★★★☆☆☆☆☆
  • Grace & Frankie (Netflix, 2ª temporada - 13/13 episódios) ★★★★★☆☆☆☆☆
Séries que eu não tive a oportunidade de ver todos os episódios de 2016 ainda, mas que tô muito curioso:
  • The People v. O. J. Simpson: American Crime Story (FX, 1ª temporada - 10/10 episódios)
  • Rectify (SundanceTV, 4ª temporada - 8/8 episódios)
  • The Americans (FX, 4ª temporada - 13/13 episódios)
  • Outlander (Starz, 2ª temporada - 13/13 episódios)
  • The Crown (Netflix, 1ª temporada - 10/10 episódios)
  • Bates Motel (A&E, 4ª temporada - 10/10 episódios)
  • Bloodline (Netflix, 2ª temporada - 10/10 episódios)
Pra quem quiser a lista completa de séries que eu assisto e já assisti, pode conferir aqui.

Mais ouvidas: Junho de 2016


Tive essa ideia de postar mensalmente as músicas que mais ouvi em cada mês, então vou começar a partir do mês de maio, que acabou anteontem. Não vou fazer introdução dos artistas ou algo do tipo. Só alguns dados básicos do artista mesmo. As músicas que mais ouvi mês passado, você pode conferir aqui.

Mais ouvidas: Maio de 2016


Tive essa ideia de postar mensalmente as músicas que mais ouvi em cada mês, então vou começar a partir do mês de maio, que acabou anteontem. Não vou fazer introdução dos artistas ou algo do tipo. Só alguns dados básicos do artista mesmo. Por ser mês de maio, eu acabo ouvindo muito os artistas do Eurovision, então alguns já foram citados aqui no blog.

Músicas favoritas do Eurovision 2016


Fonte: Eurovision Song Contest Stockholm 2016.
Pra quem não conhece o Eurovision, dá pra entender tudo aqui neste post, onde eu também indico várias músicas que eu gosto de outros anos da competição. 

Esse ano quem venceu foi a Jamala, representante da Ucrânia, que apesar de não ter a melhor música, fez uma performance destruidora com uma mensagem de grande apelo popular na Europa. Pra quem quer entender o contexto da letra de "1944", tem um ótimo texto (em inglês) que explica tudo direitinho aqui. O segundo lugar ficou com a Austrália, que está apenas em seu segundo ano na competição.

Abaixo então ficam as músicas que mais me agradaram nesse ano, lembrando que a ordem não está ligado à minha preferência entre as músicas. Eu não sei fazer uma lista das que mais gosto em ordem, porque fico ouvindo essas músicas por meses e mudo muito minha opinião.

TAG: Viciados em música

Hoje eu descobri que fui tagueado em agosto (shame on me!) pela Lívia pra responder uma tag maravilhosa sobre música. Como na época eu tava super ocupado, acho que dá pra relevar minha demora. Então vamos lá.

Rotaroots

O Rotaroots tem o objetivo de resgatar a época de ouro dos blogs pessoais, incentivando a produção de conteúdo criativo e autoral, sem ser clichê e principalmente, sem regras, blogando pela diversão e pelo amor. Participe!

Google+